Sobre o desrespeito e o ato de aprender

segunda-feira, 23 de março de 2009

Hoje estive vasculhando meus papéis velhos em busca de um artigo e encontrei uma outra coisa que me deixou muito surpreso.

Tenho a mania de nunca jogar fora minhas anotações e reflexões, mesmo as mais inúteis. A que encontrei hoje faz bem o estilo das reflexões dO Metafísico, apesar de datar de antes do blog. Vou dividí-la com vocês, mas não com as mesmas palavras da época.

Estive refletindo na ocasião (e volto a refletir hoje) sobre a postura dos estudantes ante um assunto novo e pude perceber certos padrões de comportamento com relação ao respeito por um conteúdo ou uma disciplina.

Falando especificamente da área de exatas, encontramos predominantemente uma forma de pensar que nos guia para o caminho de que esta ou aquela disciplina é exageradamente difícil e que reprová-la não será nada fora do normal. Com o tempo vamos vendo que esta postura é dominante em quase todas as disciplinas da área e ficamos com um questionamento: será que é tão difícil assim aprender física ou matemática ou o que quer que seja?

Essa visão de que tudo é muito difícil acaba gerando um respeito quase que inquestionável sobre determinado assunto, e chegamos a ter medo de alguns temas antes mesmo de encará-los.

Podemos pensar até que ponto esse medo precoce é anterior ou ulterior à dificuldade propriamente dita. Será que é difícil e todos ficam com medo ou será que todos tem medo e por isso se torna difícil?

Isto posto, chegamos ao ponto que venho defender, a segunda forma de encarar um assunto novo: Aprender requer desrespeito.

Inicialmente pode soar forte demais ou impactante demais, mas não é bem assim. Quando digo que aprender exige desrespeito com o assunto quero dizer que devemos deixar de tratá-lo como algo absoluto e imutável, que devemos deixar de nos sentirmos inferiores ao conhecimento propriamente dito.

Não poderemos nunca assumir o posto de promotores do conhecimento se nos sentirmos inferiores a este.

Apenas um direito e um dever temos que honrar como estudantes que sempre seremos: O direito de duvidar e o dever de questionar. E não digo apenas questionar o professor no caso de uma dúvida, mas sim questionar o próprio conhecimento, entendendo as limitações deste em corresponder à realidade.

Nenhuma verdade é absoluta, nenhum conhecimento é imutável, não podemos ser receptores da cultura, temos que ser construtores da cultura!

5 comentários:

Ansan disse...

"Nenhuma verdade é absoluta." Nem essa própria verdade?
"Nenhum conhecimento é imutável." Nem mesmo esse conhecimento.

Ansan disse...

Isso tem muito a ver com aquilo que já converçamos antes, para se aprender uma matéria você deve se impor um pouco sobre ela, ter serta moral e concidera-la inferior. hehehe. No meu caso me ajuda muito pensar que um cara que já morreu, ou ta quase morrendo, desenvouveu o que eu to estudando. A mim cabe o mais facil: Entender.

Ansan disse...

Não se anima não. quem escreveu os tres comentários fui eu hehehe. São assuntos diferentes.
O pontinho amarelo: faça com que eu tambem tenha acesso as postágens que eu posto algo.

lioness disse...

Tem selinho prá você no meu blog! Bjs.

lioness disse...

Aprender requer desrespeito, sim. E penso o mesmo em se tratando de relacionamentos e até mesmo de Deus. Para se ter intimidade com alguma coisa ou com alguém, é preciso quebrar alguns protocolos.