Sonêto

sexta-feira, 1 de junho de 2007

Formosa, qual pincel em tela fina
Debuxar jamais pôde ou nunca ousara:
Formosa, qual jamais desabrochara
Na primavera a rosa purpurina;

Formosa, qual se a própria mão divina
Lhe alinhara o contorno e a forma rara;
Formosa qual jamais no céu brilhara
Astro gentil, estrela peregrina;

Formosa, qual se a natureza e a arte,
Dando as mãos em seus dons e seus lavôres,
Jamais soube imitar no todo ou em parte;

Mulher celeste, oh! Anjo de primores!
Quem pode ver-te sem querer amar-te?
Quem pode amarte sem morrer de amores?!

Antônio Peregrino Maciel Monteiro.

A Paixão

"Paixão é uma infinidade de ilusões que serve de analgésico para a alma. As paixões são como ventanias que enfurnam as velas dos navios, fazendo-os navegar; outras vezes podem fazê-los naufragar, mas se não fossem elas, não haveriam viagens nem aventuras nem novas descobertas."

"Já perdoei erros quase imperdoáveis, tentei substituir pessoas insubstituíveis e esquecer pessoas inesquecíveis". Já fiz coisas por impulso, já me decepcionei com pessoas quando nunca pensei me decepcionar, mas também decepcionei alguém. Já abracei pra proteger, já dei risada quando não podia, fiz amigos eternos, amei e fui amado, mas também já fui rejeitado, fui amado e não amei. Já gritei e pulei de tanta felicidade, já vivi de amor e fiz juras eternas, "quebrei a cara" muitas vezes! Já chorei ouvindo música e vendo fotos, já liguei só pra escutar uma voz, me apaixonei por um sorriso, já pensei que fosse morrer de tanta saudade e tive medo de perder alguém especial (e acabei perdendo)! Mas vivi! E ainda vivo! Não passo pela vida... "Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é MUITO para ser insignificante".


PS: Li isso em algum lugar, não foi eu quem escreveu!

Sonêto

quinta-feira, 31 de maio de 2007

Se te procuro, fujo de avistar-te,
E se te quero, evito mais querer-te,
Desejo quase, quase aborrecerte
E se te fujo estás em toda parte.

Distante, corro logo a procurar-te,
E perco a voz e fico mudo ao ver-te;
Se me lembro de ti, tento esquecer-te
E se te esqueço, cuido mais amar-te.

O pensamento assim partido ao meio
E o coração assim também partido,
Chamo-te e fujo, quero-te e receio!

Morto por ti, eu vivo dividido,
Entre o teu e o meu ser sinto-me alheio
E sem saber de mim vivo perdido.

José Bonifácio de Andrada e Silva.


Óh, dúvidas e mais dúvidas! Neste mundo tão frio e descolorido, ainda o que resta de vivo e caloroso são nossos amores e paixões, mas mesmo estes às vezes parecem se perder num sutil e despercebido devaneio.